Chá de cogumelo (ou “Adeus a camiseta do homem aranha”)

Vem cá que eu te conto o que é cagar no mato e limpar a bunda com medo de ficar todo borrado

Eu olhava as estrelas com um misto de alívio e assombro

Aspirais reluzentes, e tudo parecia gelatinoso.

Existo dentro de tudo isso?

Era uma época que não existia futuro

E eu?

Empurrado pela barriga do universo

Mas eu só queria mesmo era sair dali sem merda pelo corpo.

No Comments, Be The First!

Your email address will not be published.