maio 2016

Josélia acorda com o escândalo do despertador. Deitada, estica o braço e tateia no breu até encontrar o dispositivo sobre o criado mudo. Aperta o único botão que existe na parte superior e ele se cala. Nos dias comuns, costuma xingar o aparelho, como se ele representasse o próprio cão,…

Read More

Era dia de visitas e dois agentes penitenciários foram escalados para a recepção dos homens. Um recebe os documentos, o outro realiza a revista. Tudo corre bem. Feliciano, sentado em uma pequena mesa, chama um por um, de uma fila formada a dez metros dali, atrás de um portão de…

Read More

Chama o garçom e pede um café. Enquanto espera, fica observando as pessoas a sua volta. Será que vivem histórias interessantes? Fita uma mulher. Essa deve ser modelo. Um homem entra e vai para o balcão. Tem cara de professor. Uma senhora esta olhando para ele. Desvia o olhar. O garçom deixa…

Read More

Até então, ir embora não era uma opção. O medo era mais forte e fazia com que ficasse imóvel. Não há nada mais paralisante. É ele que impede o ser humano de evoluir. Mas sua vida estava de tal modo insuportável, que, ou era isso, ou a morte. Decidiu viver….

Read More

Descanso minha visão A esquerda do mau. Disparo cinismo, agonia e desprezo. O abismo também não me atrai. Não sou de escuridão, Nem o sol eu agrido.   O trabalho Disparo de Ronaldo Ramos Júnior está licenciado com uma Licença Creative Commons – Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional. Baseado no trabalho disponível…

Read More