no passado, ou em outro lugar

Não me interessa transformar você num soneto
para deslizar suave
lembranças antigas em sentidos alheios.

Não adianta mais.

Agora não tenho seus abraços
presentes tempos atrás em minha realidade.
tua voz, cheiro, gênio

 

 

tudo.

Na linha do tempo
somente impulsos elétricos em um punhado de carne.

Um dia passei em frente á casa onde você morava. Me deu um não sei o que. Parei. Como se você fosse aparecer no portão e me mandar entrar. Perdi um tempo ali, esperando.

É bom o gosto do teu rastro.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*